Denúncia: Descaso com a segurança pública em Mossoró

Além de encarar o aumento da violência na cidade, os guardas municipais de Mossoró estão na linha de frente junto com os profissionais de saúde no combate à pandemia do novo coronavírus. Isso tudo acontecendo e a categoria ainda enfrenta o descaso da prefeita Rosalba Ciarlini, que não dá a devida importância aos servidores da segurança pública municipal.

“Em ambas situações os guardas municipais colocam em risco a própria vida, porém, são abandonados à sorte”, diz o vice-presidente do Sindguardas/RN, Héber Monteiro, ao denunciar a total indiferença da prefeita com as devidas condições de trabalho e a valorização profissional.
Héber aponta que servidores e usuários das UPAs, UBS, PAM, Samu, Vigilância sanitária e no abrigo criado pela prefeitura contam com o efetivo da guarda para proporcionar segurança a todos. Mas foi preciso muita briga para que a prefeitura fornecesse Equipamentos de Proteção Individual (EPI). “Hoje temos vários casos de companheiros doentes, mas há uma resistência grande da gestão em testar o nosso efetivo, que é exposto diariamente ao contágio do novo coronavírus”, acrescenta.
O representante do Sindguardas/RN afirma que, inicialmente, a prefeita tinha publicado um decreto autorizando o afastamento dos grupos de risco do serviço. Depois revogou o decreto, suspendendo esse direito essencial junto com férias, licença, entre outras formas de afastamento do trabalho.
Ainda tem o problema da regulamentação do porte de arma. “Há um desinteresse da administração municipal em resolver essa situação. Para piorar, o armamento menos letal não existe mais. Enfim, o guarda presta seu papel de segurança à cidade sem nenhuma estrutura”, protesta o vice-presidente do sindicato.
Desvalorização do Plano de Cargos; descumprimento de acordos como a mudança de classe; defasagem salarial acumulada, fazem parte de uma longa lista que é ignorada pela prefeita Rosalba Ciarlini, escancarando o descaso dessa gestão com a segurança pública e os seus servidores.